quinta-feira, 23 de abril de 2015

Hoje eu não quero sorrir

Manhã - Nikolai Pozdneev


Esse é um poema violento.



Hoje eu não quero sorrir

Deixem-me confortável em minha solidão,
não tentem apagar minha expressão vazia
ou maldizer meus amigos que não consolam,
ou não me chamam para sair
tomar uma cerveja, expor-se:
viver.

Não discriminem sequer a minha tristeza
que me aplaca o espírito,
enquanto digo a todos que estou bem
e feliz.

Deixem que eu fuja por alguns instantes
da ditadura revolucionária da felicidade,
escreva um poema triste
e me permitam chorar de dor,
de verdadeira dor

E não me digam "se cure",
ou que "isso vai passar"
- Porque não vai.
Não me digam para sorrir
porque é isso que vai lhe agradar;

[ou que é melhor que eu compartilhe tristeza
do que as minhas alegrias]

porque viver é sentir dor,
elogiar as cicatrizes
e cuidar das chagas.
É antes de tudo uma batalha infinda
que não nos deixa tomar fôlego,

que cobra cotidianamente,
que esmaga com ferocidade
e pilha, e destrói, e sufoca
E ainda assim cobra um sorriso.

Foda-se.
Hoje eu não quero sorrir.

(Fabrício de Queiroz)

1 Comentários:

Welton Felipe de Paula disse...

Maravilhoso...

Postar um comentário